Nosso futebol

O fracasso de James Rodríguez e o Real Madrid das luzes de neon

Camisetas_james

James Rodríguez durou três anos no Real Madrid.

Segundo vários meios de comunicação, o colombiano está a caminho do Manchester United.

O valor do negócio ainda não foi divulgado. Mas certamente será bastante menos do que os 80 milhões de euros que o clube espanhol pagou por ele em 2014.

James Rodríguez é um fracasso esportivo para o Real Madrid.

Isso é indiscutível!

Qualquer clube esperaria muito mais do que 37 jogos como titular em dois anos (7 em Champions e 30 na LaLiga) para um jogador desse quilate.

Mas o fato dele ter durado três anos no Real Madrid explica muito sobre o clube. Sobre sua política de contratação e sua tolerância ao baixo rendimento.

Existe um forte argumento que justificaria a saída no ano passado, depois dele ter sido irrelevante e relegado ao banco de reservas por três treinadores seguidos: Ancelotti, Benítez e Zidane.

Isso enquanto ele mantinha as boas atuações na seleção colombiana e estava louco para sair, insatisfeito pela falta de oportunidades.

Mas o Real resolveu segurá-lo um ano mais por um motivo simples: depois de Cristiano Ronaldo, ninguém vende mais camisas que o colombiano.

James foi a sensação da Copa do Mundo de 2014.

A sensação e a revelação, já que pouquíssima gente fora da Colômbia, Portugal e França o conhecia de fato.

Lembro de vários meios de comunicação e especialistas em futebol internacional - onde eu me incluo - chamando-o de "Djêims" durante o torneio. Até que ele mesmo corrigiu um jornalista em uma coletiva de imprensa, dizendo que, apesar de ser um nome inglês, ele se chamava "Râmes", com a pronuncia literal em espanhol.

Fez uma Copa fantástica e foi "vendido" pro Real Madrid antes mesmo do fim do torneio. Chegou aqui com uma aprensentação galática, no Santiago Bernabéu cheio de torcedores colombianos em êxtase.

James parecia ter tudo o que o Real Madrid busca num galático: além da técnica apurada, é boa pinta e carismático.

E vem de um enorme mercado consumidor em desenvolvimento, a Colômbia, um país hispânico com quase 50 milhões de habitantes loucos por futebol.

Quase imediatamente James se transformou em o segundo jogador que mais camisas vende do clube. 

Cristiano Ronaldo é responsável por mais da metade das 1.400.000 camisas que o Real Madrid vende ao ano. Tanto Adidas quanto o clube não divulgam oficialmente os números exatos, mas sim afirmam que James é o segundo, "com muita diferença" para o terceiro.

E manteve esse número mesmo quando ficou evidente o fracasso esportivo da contratação. 

O problema é que as apostas de Florentino Pérez vão muito além do esportivo. A parte comercial é fundamental para um clube que depende da imagem para seguir gerando lucros estratosféricos.

Por isso James Rodríguez durou o terceiro ano, mesmo quando não fazia parte dos planos táticos de Zidane para esta temporada. 

Porque ele continuava sendo um sucesso comercial para o clube sentado no banco de reservas.

Caso oposto ao do argentino Ángel Di María. Fundamental para o sistema de Carlo Ancelotti, foi vendido porque exigiu aumento e não vendia camisas.

Exemplos como o James e de Di María mostram como as decisões tomadas pelo Real Madrid de Florentino Pérez muitas vezes são alheias à lógica futebolística.

 

Comentarios

Que quieres si el tecnico no lo pone a jugar. Que eres? Analista de vacas o de futbol?

Que quieres si el tecnico no lo pone a jugar. Que eres? Analista de vacas o de futbol?

Zidane es un mal tecnico, pero le han salido bien las cosas. Tiene dos buenos equipos, pero saliendo d James se equivocará. Eso le pasó al Barça onDanny Alves

Publicar un comentario

Si ya tienes una cuenta en TypePad o TypeKey, por favor identifícate.

© DIARIO AS, S.L. - Valentín Beato, 44 - 28037 Madrid [España] - Tel. 91 375 25 00